Preços de alimentos sobem menos que a inflação

O Índice da Cesta do Mercado Total (IPCMT) calculado pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo registrou alta de 2,62% em 2018, variação inferior ao IPCA que fechou o ano em 3,75%.

Os produtos de origem vegetal fecharam o ano com aumento de 3,46%, altamente influenciado pela variação de preços das hortaliças. O tomate foi o produto que mais subiu, nos meses de outubro e novembro, subiu 39,1% e 25,94%, respectivamente. O alho foi reajustado em 18,15% em outubro, e a cebola em 16,25%, em novembro.

O grupamento de proteína animal apresentou um aumento atípico, em junho, devido a paralisação dos caminhoneiros. O dispêndio do grupo de carnes variou 7,79% naquele mês, e o frango resfriado (inteiro) registrou alta em junho de 21,03% em relação a maio, entre os produtos lácteos, o leite longa vida aumentou 9,91% e os ovos se valorizaram em 8,33% no período.

Já em dezembro de 2018, os produtos de origem animal sofreram queda de 0,13%. As carnes bovina e de frango apresentaram variação positiva de 0,86% e 4,22%, respectivamente, trajetória inversa à da carne suína que caiu 2,3%. Os lácteos registraram a queda mais significativa (-2,25%), enquanto os ovos fecharam dezembro em alta de 3,5%. Já os alimentos de origem vegetal tiveram alta de 0,13%. A coleta de preços é feita na capital paulista.

Fonte: DCI