Otimismo no carrinho: setor supermercadista cresce 0,58% no bimestre

Com meta de crescimento de 2,8% projetada para 2018, o setor supermercadista mineiro registrou incremento de 0,58% nas vendas no primeiro bimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2017. Os dados são do Termômetro de Vendas, pesquisa mensal da Associação Mineira de Supermercados (AMIS), com empresas de todos os portes do Estado.

O resultado do primeiro bimestre é um bom sinal para o setor. “Para 2018, estamos com uma boa expectativa de continuar o processo de recuperação que iniciamos no ano passado. Optamos por um planejamento cauteloso, porém contínuo para os próximos meses, para evitar que a ansiedade e as surpresas possam comprometer o resultado pretendido” destacou o superintendente da entidade, Antônio Claret Nametala.

Os investimentos realizados em 2017, principalmente no final do ano, também contribuíram para aumentar os ganhos do setor. Segundo o estudo, em fevereiro houve crescimento de 0,68% no comparativo com o mesmo mês de 2017. No entanto, em relação a janeiro, as vendas caíram 1,20%.

Para o superintendente, esse resultado negativo é considerado normal por causa do número de dias do mês (28), contra os 31 de janeiro. Boa parte das lojas não abriram na segunda ou terça-feira de Carnaval, o que reduziu ainda mais os dias de vendas.

“Neste ano, janeiro teve um domingo a mais. Hoje, o domingo é o segundo melhor dia de vendas, atrás do sábado”, comentou. Completando, em fevereiro o orçamento familiar também fica mais reduzido por causa dos compromissos obrigatórios do primeiro mês do ano. Com isso, os consumidores tendem a comprar o básico para casa.

Embora a AMIS não tenha consolidado os dados de vendas de março, as expectativas são muito positivas, graças ao movimento da Páscoa. “A melhora no ambiente econômico, com inflação baixa e a redução de juros, sinalizam que há mais renda disponível e acesso a crédito. Em março, o consumidor começa a recuperar a sua capacidade de compras”, comentou Claret.

Expansão mantida

Conforme o dirigente, o momento econômico nacional exige cuidado extra com os custos e com os planos de expansão dos negócios dos supermercados. Para 2018, o setor anunciou a abertura de 60 novas lojas no Estado, com expansão de 7 mil postos de trabalho. Atualmente, os supermercados empregam 150.400 pessoas em Minas Gerais. Em 2017, o faturamento dos supermercados mineiros foi de R$34,75 bilhões, 2,29% a mais que o do ano anterior.

No topo

Pela primeira vez, cinco supermercados de Minas Gerais estão entre os 20 maiores do Brasil, segundo o ranking anual da Associação Brasileira dos Supermercados (Abras). São eles: Supermercados BH, Grupo DMA, Mart Minas, Bahamas e Grupo Super Nosso. Em 2017, quatro companhias do Estado foram listadas.

Segundo a pesquisa, Minas tem o mesmo número de redes de São Paulo. O faturamento dos dois ficou muito próximo. As cinco maiores mineiras obtiveram resultado financeiro de R$ 15,39 bilhões, ante R$ 16,43 bilhões, das empresas paulistas. Juntos, os supermercados mineiros geram 47.782 empregos diretos.

O superintendente da Associação Mineira de Supermercados (AMIS), Antônio Claret Nametala, comemorou o resultado do Estado no ranking da Abras. “A presença de cinco empresas mineiras, entre as 20 maiores demonstra a força do setor e a capacidade empreendedora dos empresários”, enfatizou.

A conquista de Minas Gerais ganha mais peso quando se considera que, das 20, há quatro multinacionais. São elas: Carrefour, Grupo Pão de Açúcar, Walmart e Cencosud Brasil. No entanto, do total, nove têm operações no Estado, o que demonstra a força do setor no consumo mineiro. “Além das redes mineiras, há mais quatro empresas de outros Estados que têm operação em Minas Gerais”, destacou o dirigente.

Na lista

Fundado em 1998, o Grupo Super Nosso é uma das redes supermercadistas mineiras presentes na listagem da Abras. A empresa fechou 2017 com R$ 2,14 bilhões de faturamento, ante R$ 2,05 bilhões do ano anterior. “Ficamos orgulhosos em fazer parte desse grupo”, afirmou a sócia e diretora de marketing do Grupo Super Nosso, Rafaela Nejm.

A estratégia de negócios da empresa privilegia diversos setores do supermercado, com o conceito “gourmet de coração” e opções variadas na rotisseria e padaria. “Teremos a Copa do Mundo, que sempre representa um aquecimento nas vendas. Além disso, o consumidor está mais confiante”, destacou.

A empresa tem 37 lojas em Belo Horizonte e na Região Metropolitana (RMBH). Delas, 15 são gourmet, oito unidades de proximidade, de menor porte e com foco em conveniência, com a bandeira Momento Super Nosso, um canal de vendas online e 13 atacarejos com a marca Apoio Mineiro. O Grupo emprega 6.514 colaboradores. Para 2018, a empresa pretende abrir 12 novas lojas.

Fonte: Hoje em Dia