Consumo de antibióticos cresce 65% em 15 anos

Estudo recém-publicado na revista norte-americana Proceedings of National Academy os Sciences (PNAS), que analisou as vendas de medicamentos em 76 países, revela um aumento de 65% no uso de antibióticos entre os anos de 2000 e 2015. De acordo com a pesquisa, o consumo foi impulsionado pela população de nações de renda per capita mais baixa, mas passou a ter acesso às drogas graças a uma pequena melhora nos indicadores socioeconômicos.

A notícia pode ser boa em curto prazo, mas os pesquisadores alertam que isso pode se tornar uma ameaça global em alguns anos. Segundo Eili Klein, do Center for Disease Dynamics, Economics & Policy e um dos autores do estudo, apesar dos resultados sugerirem uma ampliação do acesso a essa categoria de medicamentos, o aumento da taxa de consumo tende a tornar as bactérias mais resistentes.

Os pesquisadores deixam claro que a parte mais grave do problema é o uso desenfreado e inadequado por pessoas de renda mais alta. Segundo eles, a solução seria o investimento em políticas públicas e em saneamento, nos países onde o consumo ainda não é excessivo, combinado com a mudança da cultura de prescrição em massa dessas drogas entre populações que já abusam delas.

De acordo com o estudo britânico Review on Antimicrobial Resistance, a resistência aos antibióticos poderia causar 10 milhões de mortes por ano até 2050. Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que meio milhão de pessoas pelo mundo sofre de infecções por bactérias resistentes a antibióticos.

Fonte: Panorama Farmacêutico